Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

"Tales for The Ones in Love"

An international blog about literature, nature and hope. Here I include lyrics by Rui M. and the work of others. From 4th to 24th each month, new contributions sent to [AFTER AUGUST] are accepted. Periodical Art contests and Critics. Thanks. Arigatou

"Tales for The Ones in Love"

An international blog about literature, nature and hope. Here I include lyrics by Rui M. and the work of others. From 4th to 24th each month, new contributions sent to [AFTER AUGUST] are accepted. Periodical Art contests and Critics. Thanks. Arigatou

27
Nov14

O pão sem nexo

talesforlove

A solidão come-se em dedaços secos de pão.

Sim, se não houver ninguém que vá buscar o pão fresco do dia,

se não houver quem nos estenda a sua doce mão,

se não houver um outro peito, vivo, cheio do calor bruto de um vulcão.

 

A solidão ouve-se em instantes sem som.

Sim, se não houver quem nos acene dádivas em palavras,

se não houver quem reconheça no falar um dom,

se na página branca não houvessem palavras em criança aprendidas.

 

A solidão come-se, ouve-se mas, não se aceita.

Sim, mas compreende-se e habita em todos,

ainda que ninguém a queira acolher,

surge ofuscante como a estrela inesperada que risca o céu.

 

10
Mar13

em mim

talesforlove

Na noite fria, o gélido infinito firmamento

Disposto sobre mim, naquele longo Verão

Pleno d’aquela luz difusa que fazia o momento:

Aglomerado de estrelas libertas no coração.

 

Então, devagar, sai sub-repticiamente de casa a senti-las,

Embrenhando-me a gosto naquela salpicada escuridão

Imaginando plenamente o azul em fogo a consumi-las

E eu ser seu amante, com elas, em terna e eterna comunhão.

 

Até que vi um rasgo imenso de luz no céu,

Palmilhando-o poderoso, qual salpico Divino.

E desejei, à estrela cadente, algo de bom naquele breu,

 

Sentindo a sua poeira quente a apagar-se em mim:

Perfurar-me, pertencer-me e eu pertencer-lhe cosmicamente.

Num estelar e resignado desfecho de morte, sermos UM por fim…

 

Eu um cabelo d’ela e ela a Rainha da imensa Via Láctea:

Tão só, a linha extra de um poema livre!

More about me

foto do autor

Follow me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Search

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D