Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

"Tales for The Ones in Love"

An international blog about literature and ecocriticism. Here I include my own lyrics, by Rui M. and also the work of others, from 4 to 24 each month 2018: new contributions sent to blogsnat@gmail.com Periodical Art contests and Critics. Thanks. Arigatou

"Tales for The Ones in Love"

An international blog about literature and ecocriticism. Here I include my own lyrics, by Rui M. and also the work of others, from 4 to 24 each month 2018: new contributions sent to blogsnat@gmail.com Periodical Art contests and Critics. Thanks. Arigatou

07
Jul13

Água do mar de Gonçalves Dias

talesforlove

Essa água em que viajaste

é a mesma que hoje nos banha.

Esses monstros marinhos que enganaste,

semelhantes à baleia que nos acompanha.

 

Eu sinto a tua tristeza viajante.

Mas, sou apenas um lobo aquém,

com grande pena minha e vigilante,

são estranhas as tuas terras floridas além.

 

Aquém fica a prece de quem

um amor já não tem:

As tuas lágrimas quentes

têm o sal das almas crentes!

 

Morrer de amor, já não é,

para ninguém, o destino.

Mas, morrer esquecido

é talvez o fim mais temido...

 

FIM

 

Nota: Gonçalves Dias, poeta Brasileiro do século XIX, filho de pai Português,

morreu numa viagem de regresso de Lisboa para o Brasil, quando o seu

navio naufragou e o esqueçeram de resgatar... foi a única vitima desse

naufrágio. Existe muito mais a saber sobre este autor, vale a pena procurar

na internet.

02
Jun13

Amor com um toque de samba

talesforlove

Para Ana Amélia perdeste o teu coração,

Sob o jugo de apelo selvagem, vermelho e bruto,

Erigido sob brasas apagadas, por água em fogo enxuto,

Indomável como o rio Amazonas, digno de devoção.


Mas perdeste-a, devido a aparente cobardia,

Sob a qual se escondia a tua profunda desilusão,

Por tão vil assombro, de não conseguires a desejada aceitação.

Pode lá haver maior amor que o aceite à luz do dia?


Afinal tu eras o fruto do vasto Mundo,

Continhas em ti as lonjuras das ondas do mar,

Copas verde oliva arbóreas, e o lixo negro do chão imundo…


Pleno, como o possível intangível,

De face séria, de saudade e isenta de ilusão.

Peça móvel de um Brasil de natureza impassível!

 

Nota: Poema aceite recentemente na Antologia "1000 Poemas para Gonçalves Dias" (ainda não disponível). Gonçalves Dias foi um poeta brasileiro do século XIX. Mais detalhes serão disponibilizados juntamente com os próximos poemas.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

search!

Promotion of Blogs - One

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D