An international blog about literature and ecocriticism. Here I include my own lyrics, by Rui M. and also the work of others, from 10 to 14 each month 2017: new contributions sent to ruiprcar@gmail.com Periodical Art contests and Critics. Thanks. Arigatou

15
Fev 14

Do crepúsculo telúrico, do olhar lacrimejante,

Do Domingo último, do sol que se põe...

E do cedo feito tarde, da lareira outrora fumegante,

Da sede na boca, à qual a saliva se opõe...

 

Hora derradeira essa, triste, de promessas que se esvanecem,

Da Fénix para sempre morta, do universo no horizonte do mundo.

E na mão suave, resta a madeira muda do carpinteiro. Pessoas padecem...

Resta a liberdade vazia, por decreto, à deriva no oceano profundo...

 

 

published by talesforlove às 18:37