An international blog about literature and ecocriticism. Here I include my own lyrics, by Rui M. and also the work of others, from 10 to 14 each month 2017: new contributions sent to ruiprcar@gmail.com Periodical Art contests and Critics. Thanks. Arigatou

31
Jul 12

O dia era claro, feito de luz vivida.

 A tua face brilhava envolta no véu transparente.

 Tudo luz, tudo seduz: sentia-se vida.

 Este poema é para ti: Deusa inexistente.

 

Mas, se existisses, este poema também seria nada.

 Apenas cinza, como a que crias na noite

 tomada pelo mais cáustico bréu.

 Assombrosa escuridão sem vento nem luar.

 

Mas que mais se poderia esperar do trabalho feito por um tolo

 quando comparado com a força hercúlea da tua beleza celeste?

 

Em tumulto percebo, arrastado, que o teu corpo invisível não o vejo.

 Vislumbro só o Divino passo marcado no chão.

 Um desenho de contornos feitos de lume, subtil clarão,

 subtilmente seguido por outro e eu ao vê-los arquejo.

 

Submisso a ti. Em súplica. A contemplar o teu fogo. Nós a sós.

 As labaredas minúsculas ondulantes: a única referência de luz.

 Se tudo é um sonho, ainda assim, eu só quero

 o precipício fugaz desta tua existência de Vénus.

 

Luz e sedução, escuridão e calor, assim,

 é o fogo telúrico do teu amor.

 

Nota do autor:

O adjectivo "hercúlea" deriva de Hercules, o Deus da antiguidade.

 

 

 

 

 

 

 

published by talesforlove às 23:30

Fire everything deeply consumes.

And nourishes himself from ashes

 and due to them new plants and leafs born.

 And the green goes up to the sky!

 

Time, it is said, everything solves.

 And everything he displaces and revolves

 leaving behind, so lonely,

 only a thin dust layer.

 

Maybe they are brothers.

 Perhaps they go hand in hand

 and the dust of the clock is

 only a memory of the grey ashes

 created by yellow flames!

published by talesforlove às 09:26

30
Jul 12

The inopportune poem tells us

what we don't want to hear.

Is like salt in the eyes:

nobody wants to see it. Its

taste is poisonous. Its success rare.

Secret soul.

published by talesforlove às 17:19

13
Jul 12

Poetry! That colour of dreams!

A few words and canned screams.

 A blue sun, and a purple sky.

Give me a chance and I will tell you why!


I wonder why you wonder with immaginary blue wonders.

 Poetry is that: a wonder made of salt we tast in our mind!
But never mind, althought a blue flame means a colder fire,

 poetry is not like water: it will never extinguish your internal desire!


And I hope you poetically understood...

published by talesforlove às 23:55

02
Jul 12

Rogo-te:

Que me tomes e sejas pura
Como o teu sentir irreal
De olhar e sorrizos de ternura
Beatífica e Primaveril, não banal

Ai o teu sorrizo intemporal! Fora de tempo!
Que me deixa perdido no labirinto ensanguentado
do meu coração como se eu vivesse acorrentado!

Sim! Deixa-me ser a tua luz polarizada!
O teu teste óptico chamado de polarimetria!
Ser a tua molécula enantiomérica geminada!
Usando apenas a luz brilhante da alegria!

Ah! Amor meu, amor meu!
Haverá alguém capaz de me resgatar deste inferno
que não tenha um sorrizo imaculado como o teu?

Rogo-te: livra-me deste Fado...

 

Notas do autor:
A polarimetria é uma técnica não destrutiva de medição das propriedades ópticas das moléculas que se baseia na polarização da luz. Os enantiómeros são moléculas com a capacidade de rodar o plano da luz polarizada.

published by talesforlove às 10:24