An international blog about literature and ecocriticism. Here I include my own lyrics, by Rui M. and also the work of others, from 10 to 14 each month 2017: new contributions sent to ruiprcar@gmail.com Periodical Art contests and Critics. Thanks. Arigatou

31
Dez 10

Quando a solidão me dá a volta

E eu fico sem letra nem harmonia

Passeio e canto improviso em língua imaginária

Uma canção de alegria assumidamente louca

E ando sem parar já com a voz rouca

 

 

Vou nem muito depressa nem muito devagar

E paro quando sinto uma onda de vento

Que me leva a pensar para mim mesmo:

Os castelos caem e deixam-nos a sós

A olhar os espelhos e uma vida cheia de nós

 

 

E se por acaso viajo de metro

Em tempo ignoto que me escapa: adormeço

Com o ruído do embalar dos carris

É então que inesperadamente sonho felicidade

Que  me alucina e preenche ao acordar de novo na cidade.

published by talesforlove às 00:24